[sobreventos]

O vento se dispersa pela sua rapidez ou é apenas uma característica?

Imortalidade em Tolkien

with one comment

Lendo Silmarilion, de J.R.R. Tolkien, sobre a construção de Arda, o mundo da Terra Média da história de Senhor dos Anéis, uma coisa me pareceu uma excepcional sacada de gênio.

“… os Elfos acreditam que os homens costumam ser motivos de tristeza para Manwë, que conhece a maior parte da mente de Iluvatar. Na opinião dos Elfos, os homens são mais parecidos com Melcor do que com qualquer outro Ainur, embora Melcor sempre os tenha temido e odiado, mesmo aqueles que lhe prestaram serviço. Inclui-se, nesse dom de liberdade, que os filhos dos homens permaneçam vivos por um curto intervalo no mundo, não sendo presos a ele e partam logo para onde os Elfos não sabem. Ao passo que os Elfos ficam até o final dos tempos e seu amor pela terra e por todo o mundo é mais exclusivo e intenso. Por esse motivo e com o passar dos anos, cada vez mais cheio de tristezas. Pois os Elfos não morrem enquanto a terra não morrer a menos que sejam assassinados ou que definhem de dor e somente a essas duas mortes aparentes eles estão sujeitos. Nem a idade reduz sua força a menos que estejam fartos de dez mil séculos e ao morrer eles são reunidos na morada de Mandus em Valinor de onde podem depois retornar. Já os filhos dos homens morrem de verdade e deixam o mundo, motivo pelo qual chamados de hóspedes ou forasteiros. A morte é seu destino, o dom de Ilúvatar que com o passar do tempo até os poderes hão de invejar. Melcor, porém, lançou suas sombras sobre esse dom, confundindo com as trevas, e fez surgir o mal do bem e o medo da esperança.”

Segundo esse trecho, entre os filhos de Ilúvatar (Elfos e Humanos), o maior dom que o criador poderia ter dado para eles foi a morte uma vez que a imortalidade (num mundo como a Terra Média, povoado por seres belos, mas por dor e sofrimento, fruto da maldade construída por Melcor e os Maiar como Sauron que ele corrompeu) traria, naturalmente, a tristeza aos corações dos imortais que a Arda e as suas tragédias estariam eternamente ligados. Já entre os humanos essa tristeza era substituída pela esperança, natural dos seres transitórios, hóspedes.

Tanto os Homens quantos os Elfos, incluindo os Anões (criação de Aulë à revelia de Ilúvatar) possuíam o que Tolkien chamou de Chama Imperecível, artifício de Ilúvatar capaz de dar vida aos seres por ele abençoados, tornando-se então cheios de desejos e vontades, não sendo meros títeres de seu criador, assim como eram os Valar e os Maiar.

Assim, sujeitos às vontades e desejos dos seres criados por Ilúvatar (incluindo aí Melcor e seu sucessor, Sauron), os Elfos, os mais belos e inteligentes seres criados, invejavam dos humanos a capacidade da esperança, fruto do presente da transitoriedade dada pelo criador. Fantástico!

Written by Marcos Corrêa [Kiambu]

[14, fevereiro | 2012] às [4:31 pm]

Publicado em [brisas leves], [livros]

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. Lindo, filho. Lembro muito deste trecho.

    saturnojr

    [1, julho | 2012] at [8:37 pm]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: