[sobreventos]

O vento se dispersa pela sua rapidez ou é apenas uma característica?

Das poeiras e das rochas…

leave a comment »

Os gostos ruins desapareceram. Mas eu os entendo.

Sua história é sempre a mesma. Estão no limite entra a terra e o ar. São concretos e ao mesmo tempo pueris. Quando agitados, por algum cataclisma interno ou uma tempestade tropical acima dos trópicos da linha dos olhos, seguem para todas as direçoes possíveis e entram nos narizes, olhos e bocas daqueles que passam por perto. No fundo a ingestão de um deles acontece por acaso. Mas em outras vezes é por puro prazer de fazer com que o outro sinta, na boca, o gosto do eterno amargo de saber-se identidade em eterno transformar.

Written by Marcos Corrêa [Kiambu]

[6, dezembro | 2006] às [4:28 pm]

Publicado em [pequenos ventos]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: